cro

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Especial Halloween | [Filme] Unfriended, de Levan Gabriadze



Título Original: Unfriended
Título em Português: --
Realização: Levan Gabriadze
Argumento: Nelson Greaves
Elenco Principal: Heather Sossaman, Matthew Bohrer, Courtney Halverson
Ano: 2015 | Duração: 83 mins

Sinopse:

A group of online chat room friends find themselves haunted by a mysterious, supernatural force using the account of their dead friend.

Opinião:
Este filme perturbou-me. E bastante!

Um grupo de amigos junta-se numa conversa no Skype, no aniversário da morte de uma amiga, Laura Barns. Laura tinha-se suicidado um ano antes depois de ter sofrido bastante com um vídeo divulgado na internet.

Os 83 minutos de filme tem como “cenário” – se é que podemos chamar de cenário – o desktop do portátil de Blair Lily. Nunca saímos deste frame. Tudo acontece online e temos acesso a isso através do computador de Blair. Parte do enredo centra-se nas consequências do bullying, em especial o cyberbullying. Laura suicidou-se devido à humilhação que os seus “amigos” a fizeram passar, pelos trolls idiotas da internet e o facto de não conseguir lidar com todo aquele ataque anónimo.

Este grupo de amigos junta-se numa conversa no Skype, mas há um elemento anónimo no grupo. Ninguém consegue perceber quem é, nem o tirar da conversa. Ele está sempre lá. Até que sabemos de que se trata de Laura, a rapariga que se suicidara há um ano.

Com as novas tecnologias a tomar conta do mundo, em todos os aspectos, Unfriended, também com o nome alternativo de Cybernatural, apesar de ser algo cliché nos elementos básicos de um filme de terror/found footage, aposta também na novidade. A Internet. Mantendo a imagem fixa ao desktop de um computador cria uma proximidade imensa entre o filme e o espectador. Tendo em conta que estava a ver este filme no meu computador tornou-se ainda mais “bizarra” – apesar de eu não ter um Mac e isso já ser um elemento estranho. No entanto, muitas vezes sentia que o filme se estava a passar no meu próprio portátil o que era assustador.

À primeira vista o filme poderia ter-se tornado monótono, mas mesmo sem grande movimento de imagem, o filme torna-se incrivelmente interessante e cumpre o que promete. É um filme assustador. Sobre bullying, cyberbullying, sobre amigos, as consequências dos nossos actos – até as mais “simples” brincadeiras podem ter repercussões avassaladoras – sobre os perigos da Internet. Eu sempre fui algo paranóica com a Internet e, se ainda não tinha motivos para isso, agora ainda fiquei mais. Todo o cuidado é pouco.

Inicialmente tinha dado uma avaliação mais baixa, mas pensando melhor no filme, nas suas consequências e as suas nuances vejo o quão bom este filme pode ser apesar das aparências.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Todxs são bem-vindxs a contribuir para este blog, mas apenas pedimos que o façam de forma respeitosa e coordenada.