cro

sábado, 2 de maio de 2015

[Livro] As Bancantes, de Eurípides


Título Original: Βάκχαι
Título em Português: As Bancantes
Série: --
Autor(a): Eurípides
Editora: Edições 70
Páginas: 111
Data de Publicação: 2011

buy the book from The Book Depository, free delivery
Sinopse:
As Bacantes são um documento soberbo sobre a religião dionisíaca e a experiência psíquica que ela comporta e, como tal, uma exploração em profundidade da psyche humana, quando sujeita a forças para além da razão.

Opinião:
Mais uma tragédia da Antiguidade Clássica, desta vez com a autoria de Eurípedes.

Em As Bacantes temos um vislumbre do culto ao deus Dioniso. Neste mito, Penteu – filho de Agave e neto de Cadmo, consequentemente sobrinho de Sémele que é a mãe de Dioniso – não aceita Dioniso como deus e desdenha, até, o seu culto. Como forma de castigo, por se sentir humilhado, Dioniso determina um final trágico para Penteu, mas esse desfecho não atinge apenas Penteu. Este morre às mãos da própria mãe, Agave, quando esta está em transe báquico e está convencida de que está a matar um leão. O castigo acaba por cair sobre toda a família: Agave, as suas irmãs e Cadmo acabam por serem exiladas da cidade de Tebas.

Esta tragédia é muito complexa e digo a verdade que me custa, a certo ponto, falar sobre ela, mas não vou entrar em pormenores da mitologia e essas coisas, porque não me considero entendida no assunto.

Não é das minhas tragédias favoritas, de longe, mas não deixa de ser interessante e incrivelmente bem estruturada. Confesso que adoraria ter visto a representação destas peças (e falo não apenas d’As Bacantes, mas também de Medeia, Oresteia, Rei Édipo, entre outros) tal como eram levadas à cena na Antiguidade, naqueles teatros fantásticos da época. É sempre bom conhecer um pouco da história da Humanidade, e eu sempre tive um fascínio particular pela Cultura Grega e em especial pelo deus Dioniso, ou não tivesse eu uma relação próxima com o nome.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Todxs são bem-vindxs a contribuir para este blog, mas apenas pedimos que o façam de forma respeitosa e coordenada.